Varietal ou blend, qual é melhor?

Que atire a primeira pedra quem nunca fez a seguinte pergunta: varietal ou blend, qual é o melhor?

Varietal é o vinho teoricamente feito com apenas um tipo de uva, enquanto que o blend, vinho de corte ou assemblage é o vinho feito com a mistura de castas. Há no mundo exemplares de qualidade incontestável de cada estilo.

Para exemplificar, falemos dos grandes vinhos da Bourgogne, feitos apenas com uma uva – Pinot Noir para os tintos e Chardonnay para os brancos. E, na mesma França, dos blends de Bordeaux, do famoso corte bordalês, e de Châteauneuf-du-Pape, onde 13 variedades de uvas são permitidas.

Durante séculos os rótulos não estamparam as uvas que havia na bebida, preferindo os tradicionais produtores europeus colocar apenas o nome da região, das propriedades e do vinhateiro, o que indicava o estilo de vinho a ser consumido.

No século passado, porém, produtores do Novo Mundo optaram por colocar nos rótulos os nomes das uvas, para mostrar que seus vinhos eram feitos com as nobres castas europeias. Foi então que consumidores passaram a se identificar com estilos de uvas e nomes como Cabernet Sauvignon e Merlot ficaram conhecidos.

Surgiu, a partir disto, a presunção de que o vinho varietal detinha qualidade superior. Contudo, não há como se dizer qual é o melhor. Os fãs de vinhos varietais defendem que apenas eles representam a verdadeira essência do vinho e do terroir. Já os defensores dos blends ressaltam a arte de misturar diferentes uvas e obter um vinho de máxima qualidade.

Enfim, somente você vai poder dizer o que te agrada mais. Existem vinhos maravilhosos de corte, assim como há vinhos incríveis de uma casta só. O segredo, mais uma vez, é experimentar e aproveitar o melhor que cada estilo te permite sentir.

Por Ana Carla Wingert de Moraes

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *